Justiça decreta prisão de Jorge Donati por envolvimento na morte de sindicalista

Prefeito de Conceiçao da Barra é acatado a pedido da Justiça

A Justiça acatou o pedido do Ministério Público Estadual, proposto pelo promotor Fábio Vello Correa, e decretou a prisão do prefeito de Conceição da Barra Jorge Donati (PSDB). O mandado de prisão foi expedido no final da tarde da última segunda-feira (30) pelo desembargador Sérgio Bizotto. Assim que recebeu o mandado, a polícia se deslocou para Conceição da Barra (norte do Estado) à procura do  prefeito. Porém, a assessoria de Donati informou que ele está em Brasília. O advogado do tucano, Homero Mafra, assim que tomar cohecimento da decisão, deve requerer o habeas corpus do seu cliente ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A denúncia do MPES, com base no inquérito policial, acusa o prefeito Jorge Donati de ser o mandante do assassinato do sindicalista Edson José dos Santos Barcellos, morto em julho de 2010, depois de ser sequestrado quando deixava sua residência, em Conceição da Barra. O corpo do sindicalista foi encontrado no dia seguinte ao seqüestro numa plantação de eucaliptos, com sinais de execução.

Donati teve a prisão preventiva decretada porque, de acordo com a fundamentação do MPES, “o denunciado vem investindo, desde ocurso da investigação criminal, até a presente data, em pesadas ameaças, constrangimentos de pessoas (sobretudo familiares da vítima) e testemunhas, o que demonstra com clareza não apenas a periculosidade do agente, mas também a possibilidade de ocultaçãoou destruição de provas”.

Uma das vítimas de ameaças é o pároco do município, Moacir Pinto, uma das principais testemunhas no assassinato do sindicalista, que está sendo assistido pelo Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos/ES.

Durante as investigações, o prefeito foi convocado a prestar depoimento na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). À época, Donato declarou não ter conhecimento que Edson era sindicalista. Com essa afirmação, o prefeito entrou em contradição, já que ele mesmo assinara a portaria colocando Edson à disposição do Sindicato dos Servidores Municipais de Conceição da Barra (Sindisbarra), no qual era secretário.

Edson Barcellos era servidor concursado da administração municipal e passou a se dedicar ao sindicato após a portaria. Ele vinha denunciando desvios de verbas que Donati teria praticado como chefe do Executivo municipal e iria prestar depoimento em Vitória sobre as denúncias de compra de votos durante a campanha do atual prefeito à eleição, em 2008, mas foi assassinado antes.

Já estão presos os acusados Rondinelli Ribeiro do Nascimento Amaral Ferreira, Ozéias Oliveira da Costa e Janes Antônio de Almeida.

Nos depoimentos já prestados, o próprio delegado responsável do inquérito, Fabrício Dutra, se referia ao prefeito de Conceição da Barra como provável mandante do crime, após confissões dos acusados presos.

Na ocasião dos primeiros depoimentos, foram ouvidas, além do delegado-presidente do inquérito, as mulheres de Rondinelli Ribeiro do Nascimento Amaral Ferreira, Diego Ribeiro Nascimento e Ozéias Oliveira da Costa. Segundo as depoentes, Rondinelli emprestou as armas, Rodolpho Nascimento do Amaral Ferreira foi responsável por amarrar e Diego deu o tiro de misericórdia no sindicalista.

Na audiência também foi revelado que Ozéias era responsável pelo pagamento dos executores, que seria de R$ 7 mil, mas o homem que detinha o dinheiro, conhecido como Porquinho, foi assassinato três dias após a execução do sindicalista, em uma provável queima de arquivo.

Fonte: Século Diário