Violência doméstica cai quase 50% em Linhares após Lei Seca em bares

O índice de criminalidade caiu em Linhares, no Norte do Estado, depois da adoção da lei seca nos bares do município. Após 60 dias de bares fechados entre meia-noite e 6h, os registros policiais de violência doméstica apurados pela Delegacia da Mulher caíram 47%. Isso significa que passaram de 209 para o mês anterior ao decreto para 111, dois meses depois.

Segundo a Polícia Militar, não foram registrados homicídios ou tentativas de homicídio da meia-noite às 6h entre 13 de junho e 13 de julho. A PM esclarece que, antes do decreto, um assassinato e sete tentativas de homicídio foram registrados no horário. Apesar da redução, fora do período determinado pela Lei Seca, o número de mortes aumentou.

Já as ocorrências de tráfico de drogas e porte ilegal de armas caíram cerca de 30% (esta passou de 56 para 30). O Conselho Tutelar também não foi acionado para acompanhar casos de espancamentos e maus-tratos de crianças e adolescentes e conflitos familiares nesse período. O órgão informa que, antes do fechamento dos bares, foram registrados 26 casos como esses.

Moradores têm opiniões divididas

Alguns moradores acham que a redução no índice de criminalidade já é perceptível. “Aprovo o fechamento dos bares à meia-noite. Tudo que é feito com o objetivo de reduzir a violência é bom, e já estamos vendo menos registros de homicídios”, disse o motorista Darcy Imberti.

O administrador Amilcar Silva concorda: “Quanto mais tempo os bares ficam abertos mais bebida alcoólica é vendida, e quem bebe acaba fazendo besteira”, opinou.

Mas nem todos têm a mesma opinião. Para o aposentado Viudeberges José Ribeiro, a violência é uma realidade em Linhares. “Ela não acontece por causa dos bares. Em vez de matarem à noite, agora estão matando durante o dia. Não concordo com esse decreto”, disse.

Número de homicídios aumenta na cidade

Apesar da diminuição do número de crimes no horário de lei seca, neste ano foram registrados em Linhares 19 homicídios a mais, se comparado ao mesmo período do ano passado. Entre janeiro e julho de 2012, foram registrados 39 assassinatos; e neste ano, 58.

“Temos que levar em consideração que a maioria dos casos ocorreu antes da assinatura do decreto, mas a tendência é que os registros de violência diminuam. Aliás, já estão diminuindo”, disse o secretário de Cidadania e Segurança Pública de Linhares, Washington Monteiro.
De acordo com Monteiro, se a criminalidade continuar apresentando redução, o decreto pode se tornar lei em Linhares.
“Os efeitos positivos do decreto não podem parar. Desde a sua assinatura não tivemos dúvidas que haveria redução no número de crimes. E, se continuar assim, há uma grande possibilidade de o decreto passar a ser lei”, afirmou o secretário de Cidadania e Segurança.

Fonte: Gazeta Online