‘Não tem perdão’, diz garota marcada com ferro quente pelo namorado

 Jovem teve letra inicial do nome do namorado marcada nas nádegas. Suspeito confessou agressão e disse que foi movido por ciúmes.

menina_marcada_12_09d4841bcfNão tem perdão para o que ele fez em mim’, disse a adolescente, de 16 anos, que foi agredida pelo namorado e teve as nádegas marcadas com um instrumento de ferro, na forma da letra inicial do nome dele, há 10 dias, no bairro Interlagos, em Linhares, na região Norte do Espírito Santo. Na manhã desta sexta-feira (19), a jovem disse que quer apagar da memória o que aconteceu e sonha em ter uma vida normal e sem medos. “Sei que vou carregar essas marcas no meu corpo para sempre, mas vou tentar esquecer”, disse. Ela relatou ainda que perdeu as contas de quantas vezes foi agredida pelo companheiro  e nunca o denunciou à polícia porque acreditava no amor entre eles.

De acordo com o boletim de ocorrência, o agressor furou as costas da vítima com uma tesoura e usou um objeto de ferro, esquentado a fogo, para marcar a vítima nas nádegas. A letra G foi “escrita” cinco vezes na pele da menor. O suspeito foi indiciado por lesão corporal e cárcere privado e está detido no Penitenciária Regional de Linhares.

O auxiliar de serviços gerais, de 23 anos, foi preso na quinta-feira (11) e confessou as agressões em depoimento. O titular da Delegacia de Linhares, Fabrício Lucindo, informou que foi lavrado o flagrante e o caso foi encaminhado para a Delegacia da Mulher (Deam). “Ele relatou que foi movido por ciúmes e sentimento de posse. Para o denunciado, a jovem marcada com suas iniciais, não se relacionaria com outros homens”, disse Lucindo.

Agressões

Após a última agressão, a jovem foi á morar na casa da mãe, no mesmo bairro. A adolescente, que não terá o nome revelado, morava com o suspeito há aproximadamente um ano.

Ela contou que as agressões se iniciaram na noite de quarta-feira (10). “Quando começamos a ‘ficar’, eu tinha um piercing no nariz, mas inflamou e eu retirei. Na época, nós combinamos que assim que sarasse eu colocaria novamente, e ele concordou. Na quarta, eu coloquei o piercing de novo. Ele (namorado) chegou em casa, não gostou de ver e começou a me bater”, relatou.

A menina contou que foi agredida durante mais de 12 horas seguidas. “Eu estava dormindo, ao chegar ele me olhou e começou a me espancar. Até eu entender o motivo, demorou uma eternidade. Me chutou várias vezes, me deu tapas e socos. Quando já era de madrugada, esquentou um ferro no fogão e começou a me queimar. Eu chora muito e pedia para ele parar. Ele dizia que ia fazer como fazem com animais em fazendas. Num determinado momento, ele mandou eu ir para o banheiro. Fiquei mais de uma hora e meia debaixo de água gelada sem poder sair. Ele dizia que seu eu tivesse sorte, morreria ali mesmo”, detalhou a jovem.

A vítima das agressões do companheiro disse ainda que ao sair do banheiro, foi obrigada a ficar nua e de joelhos na frente dele por tempo indeterminado. Em seguida, a jovem relatou que foi obrigada a fotografar as feridas e publicar as imagens na sua página em uma rede social . “Eu estava cansada de apanhar e acabei dormindo no quarto. Ele com raiva dormiu na sala. Na quinta-feira, ele acordou me batendo e foi trabalhar por volta de 13h. Ele saiu  e me deixou trancada”, disse.

Como as imagens das queimaduras estavam na página da vítima na internet, a família viu e foi ao seu encontro.  “Uma tia viu na internet um dia depois, eu já estava praticamente desmaiada na cama. Daí eles me levaram no hospital e depois fomos na delegacia”, contou.

Vida nova

A vítima disse que não sabe quantas vezes foi agredida, mas esta foi a pior. Ela contou ainda que em dezembro de 2013, o mesmo companheiro esquentou a lâmina de uma faca e a agrediu, deixando uma marca em seu braço, isso porque o namorado não encontrava um papel do trabalho. “Ele ficava nervoso e descontava tudo em mim. Já me chutou com uma bota com bico de aço, já jogou um computador em mim, além de  chutar todas as partes do meu corpo. Depois das agressões, me pedia desculpas e prometia que isso não se repetiria, mas ele nunca cumpria a palavra”, disse.

A jovem relatou que nunca teve coragem de denunciá-lo por que acreditava que o amor dos dois poderia superar tudo. “A minha mãe nunca gostou dele, mas eu era apaixonada, amava ele de verdade. Para mim, aquelas agressões terminariam um dia e seríamos felizes. Hoje, sinto medo de ver ele fora da prisão, não quero olhar para ele nunca mais. Quero a vida de uma menina normal e um futuro melhor”, comentou a adolescente que contou que quer retomar o estudos que abandonou pelo companheiro.

G1